sábado, 8 de agosto de 2015

APRENDER COM ESTUDO ACOMPANHADO


APRENDER A ESTUDAR 
O reforço pode ser a oportunidade de a criança aprender a estudar de forma diferente da que vinha adotando.
Como estará em um grupo menor e com mais atenção do professor, ela percebe que método funciona melhor: ler em voz alta, fazer resumos ou exercícios. "O professor do reforço também dá orientações de estudo"

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

ESTUDO ACOMPANHADO

Estudo Acompanhado
O Estudo Acompanhado visa essencialmente promover a apropriação, pelos alunos, de métodos de estudo, de trabalho e de organização, assim como o desenvolvimento de atitudes e capacidades que favoreçam uma crescente autonomia na realização das suas próprias aprendizagens. Trata-se de desenvolver a capacidade de aprender a aprender.
O Estudo Acompanhado deve centrar a sua acção, exclusivamente, no desenvolvimento de competências transversais, uma vez que são aquelas que representam, de forma mais significativa, a estruturação do conhecimento de modo transversal a todas as áreas disciplinares do Ensino Básico.
Sendo certo que são necessários conteúdos para se trabalharem competências, é fundamental ter-se em linha de conta que no Estudo Acompanhado todo o trabalho se encontra vocacionado para o desenvolvimento de competências num sentido completamente autónomo.

Finalidades
Ajudar o aluno na identificação e análise de estratégias de estudo em função das suas características individuais.
Desenvolver competências de consulta e utilização de diversas fontes de informação.
Estimular no aluno a capacidade de reconhecer as suas motivações e interesses e de concretizá-las em actividades.
Orientar os alunos na auto-avaliação relativamente à eficácia das estratégias de estudo.

Pressupostos
Desenvolvimento de actividades de planificação do tempo de estudo, competências de leitura e de escrita, resolução de problemas, domínio de técnicas específicas, elaboração de apontamentos, preparação para testes, implementação de actividades destinadas a desenvolver outras estratégias de aprendizagem.
Assunção do professor como observador do aluno e mediador entre os outros professores da turma e os alunos.
Promoção junto do aluno da capacidade de definir objectivos pessoais de aprendizagem, levando-o a um melhor conhecimento de si próprio.
Desenvolvimento de estratégias de estudo que possibilitem a aquisição de um conjunto de ferramentas de aprendizagem.
Adequação das práticas às necessidades dos alunos de forma a superar dificuldades de aprendizagem ou possibilitar actividades de enriquecimento.

Princípios orientadores
Deve atender às reais necessidades dos alunos diagnosticadas em Conselho e Turma;
Deve proporcionar o desenvolvimento de capacidades que favoreçam a autonomia na realização de aprendizagens;
Deve desenvolver competências de relacionamento interpessoal e de grupo;
Deve proporcionar acompanhamento em todas as áreas curriculares disciplinares;
As metodologias a utilizar devem ser diversificadas, nomeadamente:
resolução de alguns trabalhos suplementares;
elaboração de sínteses e organização de trabalhos;
utilização das tecnologias de informação e comunicação;
consulta de dicionários, software educativo e/ou artigos de interesse.

Intervenientes
Esta área curricular é discutida, planificada e gerida em conselho de turma, sendo a sua operacionalização da responsabilidade de dois docentes, os quais constituem um par pedagógico e trabalham em regime de co-docência. Será desejável que os professores a leccionar esta área curricular não disciplinar sejam preferencialmente de áreas disciplinares diferentes.

Avaliação
A avaliação desta área caracteriza-se por ser essencialmente descritiva no final dos períodos lectivos, tendo como referência a evolução do aluno a partir da situação diagnosticada e utiliza elementos provenientes das diversas disciplinas e áreas curriculares. Trata-se de um processo que envolve a auto e hetero-avaliação, de acordo com instrumentos concebidos pela escola e em diálogo com os alunos, podendo recorrer-se a diversas técnicas de avaliação. Compete ao conselho de turma proceder à avaliação sumativa mediante proposta dos professores que leccionam a área de Estudo Acompanhado.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

ESTUDO ACOMPANHADO

Introdução
Maria Leite Correia
No conjunto das medidas implementadas pela reorganização curricular do Ensino Básico, a Área de Estudo Acompanhado parece-me constituir um espaço particularmente fecundo e promissor. Uma escola em crise, que convive com o insucesso de largas franjas da sua população, precisa, urgentemente, de se repensar e reinventar. Sendo a catedral da aprendizagem, é imprescindível que, nela, se reflicta sobre o acto de aprender e se equacionem os seus processos, condicionantes e papel no desenvolvimento integral da pessoa. Só assim será possível uma intervenção que, acolhendo as diferenças, ofereça, realmente, uma igualdade de oportunidades a todos.
Porque "o espírito é, ao mesmo tempo, inteligência e sentimento, razão e coração, actividade lógica e não lógica" (Alexis Carrel), circunscrever o acto de aprender à componente cognitiva é não só redutor como incorrecto. A razão, com a sua multiplicidade de factores, em interacção com as componentes afectiva e social, articula um todo que se vai moldando, paulatinamente, ao longo do tempo. Por isso, como bem diz Basarab Nicolescu, é hora de provocar o "surgimento de um novo tipo de inteligência, baseado no equilíbrio entre a inteligência analítica, os sentimentos e o corpo". Não dependendo a qualidade do desempenho individual apenas do saber, julgo que o trabalho, nesta área, se deve organizar em torno de três eixos estruturantes: aprender a conhecer-se, aprender a aprender e aprender a ser. Estas três vertentes apenas metodologicamente se apresentam em separado. Na verdade, elas constituem as traves mestras de um processo em que, pelas trocas que estabelecem entre si, se estruturam mutuamente. É que "a realidade humana forma um conjunto cujos diferentes aspectos se compõem uns aos outros (...), em virtude de uma ordem de implicação dos significados." (Georges Gusdorf)

1 - Aprender a conhecer-se
Reflectir sobre quem se é, como se é e o que se quer é o ponto de partida e a base de apoio da aprendizagem durante toda a vida. Por esta auto-análise se consciencializa o modo pessoal de aprender, as dificuldades, as expectativas, as capacidades, os níveis de motivação e auto-estima, as qualidades de trabalho e de organização... Descobrem-se os principais obstáculos à aprendizagem e ao sucesso pessoal. Compreende-se que este não depende apenas do que se sabe, mas também de outras competências de ordem social e afectiva.
Sendo a auto-imagem determinante na motivação para a acção, é essencial identificar e analisar as crenças pessoais negativas a fim de se programarem acções que as eliminem e conduzam ao pensamento positivo. A identificação e compreensão de um problema é o princípio da sua resolução, porque gera abertura às estratégias correctoras e mobiliza os esforços individuais no sentido da sua resolução.

2 - Aprender a aprender
Conhecer, o melhor possível, o funcionamento pessoal, a todos os níveis que estruturam a personalidade, prepara para outra etapa em que os esforços se devem orientar, essencialmente, para os seguintes aspectos:
- desenvolvimento da capacidade de auto-organização, em função de objectivos;
- domínio dos materiais de trabalho;
- descoberta dos métodos e técnicas mais eficazes nas várias situações de aprendizagem.
No âmbito de organização pessoal, destaca-se:
- o controlo das variáveis pessoais e do meio que dificultam a atenção e a concentração nas tarefas;
- a organização de um horário que inclua todas as actividades em que se reparte o dia;
- a adequação do local de estudo.
O bom conhecimento e o correcto manuseamento dos materiais de trabalho são importantes apoios para a construção do saber.
No desenvolvimento do processo cognitivo, a atenção deve centrar-se na aquisição de competências a nível da leitura, da escrita, da memorização e da resolução de problemas.
Como, na relação com o saber, o texto escrito é o mediador mais importante, a ele se deve dedicar significativa fatia do tempo disponível.
O trabalho individual deve alternar com o trabalho de grupo, já que ambos se completam.
A avaliação contínua das actividades, verdadeiramente reguladora de todo o processo, permite introduzir nela os ajustamentos e as reorientações que se impuserem.

3 - Aprender a ser
No final da escolaridade básica, espera-se que todos atinjam um grau de capacitação que os habilite a resolver os problemas do quotidiano e a desenvolver comportamentos adaptados às exigências da vida, do trabalho e do exercício responsável da cidadania. O processo de construção pessoal, embora nunca acabado, deve atingir um nível de auto-organização e de auto-regulação que permita saber estar em sociedade, fazer escolhas, tomar decisões, resolver os conflitos internos, gerir os limites pessoais e expressar-se racional e emocionalmente de modo assertivo. Pela progressiva conquista do sentido da vida e do mundo, saberes, capacidades e competências conjugam-se na tarefa da construção do projecto pessoal.
Esta área constitui, verdadeiramente, uma oficina de procura de sentidos e de treinamento das capacidades transversais a toda a aprendizagem, sendo, por isso, condição para a construção de um projecto com futuro e para o futuro.

4 - Temas essenciais na área de estudo acompanhado

1 - Estudo Acompanhado: Expectativas, Objectivos Gerais e Metodológicos
2 - Trabalho Individual / Trabalho de Grupo
3 - Organização do Material Escolar
4 - Auto-conhecimento / Auto-avaliação / Estilo de Aprendizagem
5 - Motivação para o Estudo
6 - Planeamento e Organização do Estudo
7 - Concentração / Atenção
8 - Tratamento da Informação Escrita
9 - A Memorização
10 - Preparação e Realização dos Testes
11 - Análise dos Testes
12 - Realização de Trabalhos Escritos
13 - Resolução de Problemas
14 - Trabalho de Pesquisa

COMO MEMORIZAR

Memorizar
Uma das tarefas que mais se pede a um aluno é que memorize assuntos, definições, temas, palavras, etc.
Ao contrário do que muitos pensam, a memória também se treina. É possível aumentar a capacidade de memória treinando alguns aspectos específicos.

A capacidade de memorizar está intimamente ligada à capacidade de concentração. Por isso, antes de começares a tarefa de memorizar é conveniente que atentes no seguinte:

* não penses na concentração porque quanto mais pensares nela mais facilmente te distrais...
* organiza o teu tempo de estudo contando com o espaço para refeições ligeiras e a espaços programados... não deves estar sempre a comer mas também tens de te alimentar regularmente...
* dorme sempre o suficiente para que depois possas rentabilizar o teu tempo de estudo...
* dedica sempre algum tempo às actividades lúdicas que te agradem... música, cinema, desporto... assim, quando tiveres de te "sentar" a estudar, não ficas a pensar em mais nada...
* organiza muito bem os teus apontamentos de estudo e só depois começa a memorizar o mais importante...


NÃO TE ESQUEÇAS QUE PARA BEM MEMORIZAR É NECESSÁRIO COMPREENDER!

Como memorizar?
1. Prepara os assuntos que tens de memorizar.
2. Pensa que o que vais memorizar tem interesse.
3. Selecciona muito bem o que tens de memorizar.
4. Lê atentamente os teus apontamentos.
5. Organiza os apontamentos em duas colunas:

Do lado esquerdo - ideias-chave; definições, fórmulas, etc;
Do lado direito - explicações mais completas.
(Está provado cientificamente que o nosso cérebro "armazena" melhor a informação que está organizada visualmente.)


6. Treina muitas vezes até pensares que já "sabes de cor" os assuntos.
7. Resolve exercícios para testares a tua memorização.


Algumas técnicas para memorizar
1. Organizar áreas vocabulares.
2. Fazer mnemónicas (siglas que ajudam a memorizar).
3. Inventar rimas.
4. Fazer canções.
5. Inventar histórias.
6. Fazer associações visuais

FAZER UM RESUMO

Resumo
"Resumir um texto é condensar as ideias principais, respeitando o sentido, a estrutura e o tipo de enunciação, isto é, os tempo e as pessoas, com a ajuda do vocabulário do aluno. É, assim, reter as linhas de um raciocínio, o essencial dos dados de um problema, as características de uma situação, as conclusões de uma análise, sem o mais pequeno comentário."

José Esteves Rei, Curso de Redacção II - O Texto,
Porto Editora


Aspectos a considerar na redacção do resumo:

* respeitar a ordem pela qual o autor apresenta as suas ideias;
* manter o fio condutor do texto original;
* reduzir o texto original a um quarto da sua extensão;

Estilo a adoptar:
* o texto-resumo deve ser neutro e revelar uma linguagem clara e concisa;
* utilizar o discurso de 3._ pessoa;
* evitar a repetição de frases do texto (se for absolutamente necessário colocá-las entre aspas);
* não utilizar o diálogo, se ele existir no texto original;
* distinguir o que é significativo do que não é;
* escolher apenas as ideias fundamentais;
* fazer um esforço de análise e de síntese.

Fases de preparação do resumo

1.ª - Leitura atenta do texto:
- dividir o texto em partes;
- dar um título-resumo a cada parte;
- desmontar o texto em palavras-chave e articuladores do discurso;
- fazer a síntese/organização das ideias.

2.ª - Síntese das ideias fundamentais:
- distinguir o acessório do essencial e reter apenas as ideias fundamentais, utilizando as técnicas de tirar apontamentos e elaborar esquemas.

3.ª - Organização do texto escrito:
- procurar respeitar a estrutura de qualquer texto: introdução, desenvolvimento e conclusão.

TIRAR NOTAS E APONTAMENTOS

Tirar notas e apontamentos
As notas e os apontamentos são uma técnica de estudo que ajuda a manter a atenção e a concentração. Trata-se de uma forma pessoal de escrever os aspectos mais importantes de um tema/assunto ou aula.
Há dois momentos distintos em que tu podes tirar notas e apontamentos: quando estudas em casa, lendo diferentes textos, e quando estás na aula.

Como fazer?

Na leitura
* ler o texto todo;
* descodificar o vocabulário;
* reler o texto, registando, por palavras tuas, as ideias fundamentais;
* resumir o texto, utilizando frases curtas ou palavras-
-chave (consulta a este propósito o texto deste caderno, na pág. 17);
* organiza, se possível, os teus apontamentos em esquema ou num texto mais curto;
* relê o que escreveste e verifica se percebes claramente o seu conteúdo.

Na aula
Utiliza as seguintes pistas:

* atenta no tom de voz do professor, ele indica o que é mais importante;
* atenta nas ideias que vão sendo repetidas;
* reflecte no tempo que é dedicado a um determinado assunto e a forma como é escrito ou registado no quadro;
* segue as indicações expressas pelo professor quando os conteúdos não estão no manual adoptado;
* presta atenção aos assuntos que estão registados no sumário;
* faz notas breves;
* toma nota dos registos no quadro;
* usa abreviaturas;
* deixa espaços para completares as notas quando estudares em casa;
* completa devidamente as notas da aula, quando estudares em casa.

Fazer anotações à margem
As anotações à margem são apontamentos específicos que se registam ao lado dos textos:
* desenvolvem a tua capacidade de compreensão e análise de um texto;
* exercitam a capacidade de síntese;
* favorecem a memorização;
* facilitam a revisão de conteúdos tendo em vista a preparação para um teste.

Como se fazem?
* lês o texto todas as vezes que forem necessárias até o compreenderes bem;
* relês o texto, parágrafo a parágrafo, resumindo a ideia-chave;
* escreves, à margem do texto, as palavras-chave que melhor resumam as ideias principais dos parágrafos;
* acrescentas outras informações que consideres necessárias.

ORGANIZAR O CADERNO DIÁRIO

Organizar o caderno diário
O caderno diário é o teu instrumento de trabalho mais precioso! Nele tu organizas o teu dia-a-dia de cada disciplina.
Há vários tipos de cadernos diários: de folhas soltas, inteiros, tamanho A3, A4, A5, etc. Cada um deles tem vantagens e desvantagens, mas o que é importante é que tenhas um para cada disciplina e, claro está, que esteja muito bem organizado.
Como sabes, o caderno diário é o "espelho do aluno"; nele se reflecte o trabalho não só da aula, em conjunto com o professor, como o trabalho que é realizado depois da aula.

Assim, há quatro momentos fundamentais em que deves utilizar prioritariamente o caderno diário:

1. Durante a aula propriamente dita.
2. Depois da aula, fazendo os trabalhos de casa e/ou outras tarefas.
3. Para a preparação das actividades de avaliação.
4. Para o estudo em geral.


Para que a sua utilização seja eficaz, é necessário que o teu caderno diário tenha os seguintes elementos:

1. Capa do caderno (deve ter o nome da disciplina a que diz respeito, o nome do professor e o horário dessa disciplina).
2. Um calendário onde anotes as datas dos testes, trabalhos escritos ou outras tarefas a executar nessa disciplina.
3. As aulas que vais tendo, organizadas pelo número da aula, data e respectivo sumário.
4. Todos os registos (orais e/ou escritos) que o professor tiver feito na aula.
5. A indicação dos textos que forem sendo analisados, bem como fichas-síntese, esquemas, etc.
6. A indicação e respectiva realização dos trabalhos de casa.
7. Objectivos para as fichas de avaliação.
8. Enunciados das fichas de avaliação, resolução e respectiva correcção.
9. Um espaço para registares as dúvidas que te vão surgindo (podes utilizar as margens do lado ou um espaço delimitado em baixo).
Para além disto, o teu caderno diário deve estar sempre contigo, limpo e pronto a ser usado...

Nota: Não te esqueças de que todas as propostas de actividades contidas no manual (incluindo aquelas que apresentam espaços em branco ou esquemas para completar) devem ser realizadas no teu caderno diário.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

COMO FAZER UM HORÁRIO DE ESTUDO

Como fazer um horário de estudo
Armanda Zenhas 2003-01-07
É certo e sabido que a maioria dos alunos só se lembra de estudar na véspera dos testes... e as coisas complicam-se. A elaboração de um bom horário de estudo pode ser uma forma eficaz de melhorar a aprendizagem e de alcançar o sucesso escolar.
As aulas começaram. Com elas, os TPC e a necessidade de estudar diariamente. Muitos estudantes só se lembram disso na véspera dos testes. Depois... vêm as dores de barriga. Os pais podem ajudá-los, acompanhando-os na elaboração de um horário de estudo e responsabilizando-os pelo seu cumprimento. Eis algumas regras a seguir:- Deve ser feita uma análise cuidada do horário das aulas e de outras actividades (natação, dança, etc.). De entre os tempos livres, serão seleccionados os mais adequados ao estudo em casa.- Diariamente é necessário fazer revisões da matéria dada nas aulas desse dia e os TPC. Por isso, essas disciplinas precisam de ser contempladas no horário de estudo.- Nos dias em que há muitas aulas, não se pode estudar muito em casa. Por isso, as tarefas prioritárias são as indicadas no ponto anterior.- Nos dias em que há menos aulas, podem ser previstos tempos de estudo mais longos. Além das tarefas indicadas no ponto dois, o aluno poderá executar trabalhos mais demorados, rever ou praticar matérias em que tenha mais dificuldades ou preparar-se para testes, com a antecedência necessária, distribuindo a matéria por vários dias.- O estudo deve ser iniciado por uma disciplina de dificuldade média (para "aquecer o motor"), seguindo-se as mais difíceis ou de que se gosta menos e deixando-se para o fim (quando já se está mais cansado) as mais fáceis.- Os períodos de estudo não devem ultrapassar os 20 a 40 minutos, dependendo da idade do estudante. Entre esses períodos deverão existir pequenas pausas de 5 minutos, durante as quais não se deve ver televisão ou jogar computador, actividades que irão quebrar o ritmo de estudo e prolongar o intervalo em demasia.- O horário de estudo deve respeitar as necessidades do estudante. Alguns precisam de estudar mais tempo do que outros.- O horário de estudo deve ser realista. Não vale a pena combinar estudar a uma hora em que o jovem quer ver o seu programa de televisão preferido. Claro que se todos os programas de televisão forem "preferidos", é necessário que os pais sejam firmes.- O horário de estudo deve ser do conhecimento de toda a família e respeitado por todos. O estudante compromete-se a estudar. Os pais comprometem-se a facilitar-lhe a criação de um ambiente de estudo favorável, sem ruídos nem interrupções.Em artigos futuros, abordaremos a importância do ambiente de estudo para uma boa concentração e daremos sugestões nesse domínio.VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMAHábitos de estudo

ORGANIZAR O LOCAL DE ESTUDO

Organizando o local e os materiais de estudo
Armanda Zenhas 2006-09-13
Ajudar as crianças ou os jovens a adquirirem hábitos de arrumação e de organização não é fácil. Prepare-se para muitas sessões de "resmunguice"ou de protestos.
D.ª Antónia chegou a casa. Não havia dúvidas de que Filipe, o seu filho de dez anos, tinha chegado antes dela. A mochila no meio do hall, as sapatilhas mais adiante, a bola logo a seguir, num rasto que se prolongava desde a porta de entrada até à do quarto dele, não enganavam ninguém. Lá estava ele, sentado à mesa, com tanta atenção ao computador que nem deu pela presença da mãe. Olhando para a desarrumação da mesa (em que cadernos se misturavam com embalagens de iogurte vazias, caixas de CD, berlindes e outros brinquedos) e do chão (em que também havia cadernos à mistura com roupa, brinquedos e chinelos), D.ª Antónia decidiu pôr ponto final a esta desarrumação. Ainda nessa manhã tinha havido discussão e atraso na saída de casa, porque o Filipe não conseguia encontrar a régua nem o caderno de Matemática, essenciais para as aulas desse dia.Quem não conhece ou vive histórias idênticas? Quem não desespera com o atraso dos filhos, à hora de saída para a escola, por insistirem em preparar o material em cima da hora e não o conseguirem encontrar devido à desarrumação? Como evitar estes problemas? Aqui ficam algumas sugestões, acompanhadas da recordação do provérbio "De pequenino se torce o pepino." Com efeito, se começar a habituar os seus filhos a arrumarem e organizarem os seus materiais escolares, desde a sua entrada para a escola, mais facilmente eles aceitarão essas normas e adquirirão os hábitos necessários para as praticarem continuadamente.1. Arranje, com o seu filho, um espaço exclusivamente destinado à arrumação dos materiais escolares e ao estudo. Nesse local não devem existir brinquedos nem outros objectos que o possam distrair enquanto estuda.2. Habitue o seu filho a arrumar todo o material escolar logo que chega a casa. Não aceite mochila, livros ou outros materiais espalhados por toda a parte e não arrume as coisas por ele.3. Habitue o seu filho a preparar o material para a escola sempre de véspera. Desta forma haverá tempo de procurar alguma coisa que possa não estar à mão.4. Peça ao seu filho que coloque o horário escolar no espaço de estudo, em local bem visível. Isso facilitará a organização do estudo diário e a preparação do material a levar para a escola em cada dia.5. Será conveniente que a arrumação não seja uma característica exclusiva do local de estudo e se alargue a todo o quarto e a todos os pertences do seu filho. Habitue-o a arrumar os brinquedos, a roupa suja e outros objectos que se possam ir acumulando pelo quarto ou pela casa.Ajudar as crianças ou os jovens a adquirirem hábitos de arrumação e de organização não é fácil. Prepare-se para muitas sessões de 'resmunguice'ou de protestos. Escutará os mais incríveis argumentos a favor do adiamento da tarefa ou contra a necessidade da sua execução. Muitas vezes os pais acabam por desistir, porque preferem o trabalho de arrumar ao desgaste de discussões desagradáveis, quando já estão cansados de um dia de trabalho. Não ceda a essa tentação. Diálogo e firmeza são dois ingredientes necessários para o sucesso dessa missão. É preciso explicar os objectivos e negociar as regras, mas também é essencial ser firme na exigência do seu cumprimento.Estamos no início do ano lectivo. Esta é uma altura ideal para estabelecer regras e desenvolver hábitos correctos, evitando que se instalem hábitos errados. Não se esqueça: coragem, persistência e confiança; diálogo e firmeza! Bom ano lectivo!VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMAA escolha do local de estudoHábitos de estudo

PAPEL DOS PAIS NO ESTUDO DOS FILHOS

A ajuda dos pais na criação de hábitos de estudo
Armanda Zenhas 2008-10-08
Frequentemente os pais pensam que não podem ajudar os filhos, porque têm menos estudos do que eles. É uma ideia errada.
A aquisição ou a modificação de hábitos e rotinas não é fácil para adultos nem para crianças. Se o gosto pelo estudo não existe e se a família, ainda por cima, não o valorizar, será difícil que ele se transforme num hábito. Quando um estudante muda de ciclo de ensino, precisa de se adaptar às especificidades da nova situação a todos os níveis, incluindo no que diz respeito à organização do seu estudo individual. Talvez a dificuldade seja maior entre o 1.º ciclo (um professor determina as tarefas de casa para o dia seguinte) e o 2.º ciclo (cada professor determina as tarefas para a próxima aula, que pode não ser no dia seguinte). A articulação entre a escola e a família podem ajudar a ultrapassar as dificuldades e a contribuir para a aquisição ou a melhoria dos hábitos de estudo ao longo de toda a escolaridade.Frequentemente os pais pensam que não podem ajudar os filhos, porque têm menos estudos do que eles. É uma ideia errada. Valorizar a escola e a sua frequência, demonstrar interesse pelas actividades lá realizadas, ajudar a organizar o espaço e o tempo de estudo, elogiar os pequenos/grandes sucessos obtidos e não deixar criar desânimo perante as dificuldades, estar em contacto permanente com a escola: estas são diversas formas de os pais ajudarem os seus filhos a sentirem-se valorizados e acompanhados e a adquirirem hábitos e gosto pelo estudo.Como directora de turma, procuro que muitas das actividades realizadas em Estudo Acompanhado sejam partilhadas com os pais, pois são eles que podem supervisionar o trabalho dos mais novos em casa e ajudá-los a serem persistentes. Na verdade, já o fazia muito antes de haver esta área não curricular. No início do ano, falamos sempre sobre a importância e a forma de organizar o local e o tempo de estudo, em reunião conjunta de alunos e pais. Há também lugar para conversas particulares com quem o desejar.Em artigos anteriores, dei algumas ideias sobre a organização do estudo (Como organizar eficazmente o tempo de estudo, A postos no posto de estudo, Como fazer um horário de estudo, Organizando o local e os materiais de estudo, entre outros). Neste artigo, vou relatar uma parte do trabalho feito sobre este tema com a turma de que fui directora no ano lectivo anterior.Se comecei por dizer que não é fácil adquirir/mudar hábitos, isto aplica-se à aquisição/melhoria de hábitos de estudo pelos alunos e à aquisição/melhoria de hábitos de supervisão pelos pais. Por conseguinte, não basta debater o assunto uma vez, mas não se podem repetir continuamente as mesmas ideias da mesma forma.Como já referi, normalmente os alunos participam nas reuniões de pais que promovo. O debate dos temas torna-se mais rico e as conclusões co-responsabilizam todos os presentes a agirem de forma colaborativa, cumprindo cada um as suas funções específicas (ajudar os filhos não é fazer os trabalhos por eles ou dar-lhes as soluções, sem eles entenderem o processo, por exemplo). Aproximava-se a reunião de entrega das fichas de avaliação do 2.º período aos pais. Antes disso, numa aula de Formação Cívica, pedi aos alunos que pensassem sobre as coisas que os pais podiam fazer para os ajudarem a encontrar a motivação necessária para ultrapassarem as dificuldades que encontravam quando (não) estudavam em casa. Pedi-lhes que tivessem em conta o seu objectivo final de terem sucesso no fim do ano lectivo, esquecendo o prazer imediato de chegarem a casa e irem brincar. Feito este trabalho individual, cada aluno foi lendo a(s) frase(s) que tinha feito. Esta(s) era(m) debatida(s) pela turma e todas as ideias consensuais foram apontadas no quadro. Em EVT, tinham sido feitos cestos de papel com ovos de Páscoa de diferentes materiais. Cada aluno escreveu uma das mensagens seleccionadas numa tirinha de papel e todas foram colocadas nos cestos, por entre os ovos.No dia da reunião de pais e alunos, foi explicado aos primeiros que a turma tinha debatido alguns problemas que condicionavam negativamente o seu estudo autónomo e queriam pedir ajuda aos pais, pelo que lhes tinham escrito algumas mensagens. Entraram então os pais em cena, retirando, um de cada vez, um papel de um dos cestos e lendo a mensagem respectiva: "Verifiquem se estudamos diariamente.", "Se tivermos dúvidas, peçam para as apontarmos e perguntarmos aos professores nas aulas.", etc. A actividade foi divertida e feita com cumplicidade e estas ideias, já debatidas anteriormente, foram relembradas.Na dita aula de Formação Cívica, o Hugo, considerado o poeta oficial da turma, à medida que as frases iam sendo escritas no quadro, construiu espontaneamente um poema. Este foi, posteriormente, trabalhado nas aulas de Educação Musical, sob a forma de rap, e apresentado por toda a turma aos pais, numa reunião do 3.º período. A concluir, aqui fica o poema do Hugo e do 5.º 10 (a sua turma) que pode ser um apelo a todos os pais e não apenas aos seus.
Pedidos aos paisPais, verifiquem se estudamos,Mais atenção às disciplinas de que não gostamos.Pais, verifiquem a caderneta,Para assinar é preciso a caneta.Pais, se nos portarmos mal tomem medidas.Oh! Porque é que falei, vão-nos tirar as bolas da Adidas.Pais, se tivermos dúvidas,Há saídas.Pais, verifiquem se os nossos cadernos estão organizadosUi! Acho que os meus estão "marados".Pais, verifiquem e assinem as mensagens,De preferência sem paragens.Pais, verifiquem se levamos o material necessário,E também um bom vestuário.Pais, se tivermos problemas, falem com a D.T.Que não é Papão nem é E.T.Mas sabe sempre o que fazemos nas aulas,Pior era estar dentro de jaulas.
Hugo Ferreira, 5.º 10E assim, problemas e soluções são debatidos repetidamente (mas de formas diferentes), com humor e boa disposição, com cumplicidade e interesse mútuos, numa turma-família de alunos, pais e outros familiares, directora de turma e professores.VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMAA escolha do local de estudoHábitos de estudo

ORGANIZAR O ESTUDO

Como organizar eficazmente o tempo de estudo
Armanda Zenhas 2009-01-28
Organizar o tempo de estudo é uma competência que deve ser desenvolvida desde cedo. A elaboração de um horário de estudo pode facilitar essa tarefa.
A organização do tempo de estudo dos nossos estudantes costuma ser determinada pelas datas dos testes. Em vésperas de um teste, estuda-se. Quando não há testes à vista, deixa-se para amanhã (ou para depois de depois de amanhã) aquilo que se deve fazer hoje. Aprende-se a técnica no Ensino Básico e ela perdura pela vida estudantil fora, determinando noitadas e "directas" nos anos mais avançados e insucessos ou aprendizagens mal coladas em todos eles.Organizar o tempo de estudo é uma competência que deve ser desenvolvida desde cedo. A elaboração de um horário de estudo pode facilitar essa tarefa. Os estudantes, principalmente se são muito jovens, precisam, para isso, do apoio dos professores e dos pais. Calvin, o nosso amigo da banda desenhada, aprendeu como o fazer e partiu para a tarefa muito entusiasmado, mas sozinho...
Calvin sabia que o seu estudo seria mais eficaz se organizasse o tempo. Ele sabia que devia prever um determinado tempo para estudar cada disciplina. Apenas se esqueceu de adequar os espaços de tempo às necessidades de estudo. Vejamos algumas regras para que essa organização seja eficaz:- Diariamente é necessário fazer revisões das matérias dadas nesse dia e os TPC.- Nos dias em que há menos aulas, deve ser feito um estudo mais aprofundado das várias matérias, incidindo particularmente sobre aquelas em que se tem mais dificuldades.- O estudo deve ser iniciado por uma disciplina de dificuldade média, seguindo-se as mais difíceis. Para o fim ficam as mais fáceis, visto já se estar mais cansado e menos apto a um grande esforço.- Ao fim de cada espaço de 20 a 40 minutos, deve ser feita uma pequena pausa, durante a qual não se deve ver televisão ou jogar computador, para que a pausa seja de facto pequena e não se perca a concentração no estudo.- O tempo a dedicar diariamente ao estudo depende do horário do aluno e do próprio aluno.A competência de organização do tempo de estudo precisa de ser gradualmente desenvolvida e requer motivação. O papel dos pais é extremamente importante. Eles podem facilitar a criação de condições físicas em casa (local de estudo adequado, impedimento de interrupções ao estudo por parte dos amigos e dos irmãos, etc.), podem valorizar o trabalho dos filhos, podem dar-lhes apoio afectivo. Um elogio ou um carinho após cada pequena conquista podem ser preciosos reforços. Talvez assim os filhos aprendam a usar um relógio de cozinha ou um relógio mental que consiga medir tempos maiores e mais adequados do que o do Calvin.VÍDEOS RELACIONADOS COM ESTE TEMAHábitos de estudo

sexta-feira, 9 de julho de 2010

COMO FAZER UM TRABALHO DE PROJECTO: BIBLIOTECA ESCOLAR

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos
Como Fazer Um Trabalho De Projecto?
GUIÃO DE AVALIAÇÃO DE PÁGINAS ELECTRÓNICASSe usares páginas electrónicas não sugeridas pelos teus professores, deves procurar saber se elas são fiáveis e adequadas para o teu trabalho.
Procura resposta para as questões que se seguem:
QUEM é responsável pela página? Tem autor? Quais são as suas credenciais? O “autor” é uma associação ou organização?
QUE tipo de página é? .edu= educação / .net=redes ou serviços / .org=organização / .mil=militar / .gov=governo / .com=comercial
QUANDO é que a página foi criada ou actualizada? Atenção: A indicação automatizada da data não significa actualização da informação.
ONDE se pode encontrar mais informação? Há outro contacto além da indicação de correio electrónico? Há documentação sobre factos, declarações ou informação secundária? Há ligação com outras páginas relacionadas?
PORQUÊ é que a página foi criada? A ideia é vender? Convencer? Defender uma lista? Informar? Porque há publicidade? É relacionada com a página?

DICAS PARA PESQUISAR:
· Usa todas as palavras que definem o tema, por ordem de relevância, recorrendo a sinónimos;
· De um modo geral, os motores não distinguem maiúsculas de minúsculas, nem os acentos, nem consideram palavras com menos de 3 caracteres;
· Para procurar uma dada expressão usa “…” (ex. “Jardim Zoológico de Lisboa”). Se usares o sinal + entre palavras ou se não usarmos nenhum sinal, o resultado poderá incluir conceitos em que as palavras não se relacionem directamente;
· O sinal – reduz o âmbito da pesquisa (ex. livros + arte – pintura à dá-nos sites sobre arte, excluindo a pintura);
· Em vez dos sinais + e – podemos usar os operadores lógicos AND e NOT. O operador OR é útil para pesquisar em várias línguas (ex. livro OR book);
· É possível escolher a origem do site (ex. Palavra-chave site:pt) e o formato: palavra-chave filetype:formato (.pdf, .mp3, .doc, .jpg, etc.);
· Verifica se a fonte é credível (universidades, investigadores, sites oficiais).

MOTORES DE BUSCA E AFINS:
Google – http://www.google.pt/ (para pesquisas globais)
SAPO – http://www.sapo.pt/
YAHOO – http://www.yahoo.com/
MSN search – search.msn.com
ASKJEEVES – http://www.ask.com/ (em linguagem natural)
LYCOS – http://www.lycos.com/
DOGPILE – http://www.dogpile.com/ (dos mais poderosos meta-motores de pesquisa)
KARTOO – http://www.kartoo.com/ (resultados sobre mapas)
Quando encontrares um site que te pareça adequado, preenche os itens em baixo apresentados:
@ Site visitado: ______________________________
@ Descrição do site:___________________________
@ Por que é que escolheram este site?______________
@ Como se encontra estruturado o site (organização, links)?_
@ Quais são os pontos fortes e fracos do site?__________
@ Em que medida a consulta deste tipo contribuiu para ampliares os teus conhecimentos._
Não te esqueças de consultar os favoritos da página da biblioteca.

quinta-feira, 8 de julho de 2010

COMO FAZER UM TRABALHO DE PROJECTO: BIBLIOTECA ESCOLAR

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos
Como Fazer Um Trabalho De Projecto?
PLANIFICAR1ª parte
O que pretendo?
Tenho de produzir um trabalho sobre o tema __________
O título é ___________________________________
O público-alvo é ____________________________________
Tenho _____________ aulas e _____________ dias para completar o trabalho.
2ª parte
O que já sei?
Utiliza este espaço para registar as ideias que já tens sobre o tema.
________________________________________________________________
3ª parte
O que preciso de saber / procurar?
Agora que já trabalhaste o que sabias sobre o tema, é altura de decidir aquilo que realmente necessitas de pesquisar. O que precisas de descobrir? Este é um passo importante, pois colocar as questões certas é determinante para escolher as melhores fontes de informação. Elabora algumas perguntas adequadas.
1. Quem? _______________
2. O quê? ______________
3. Onde? _______________
4. Quando? _____________
5. Porquê? _____________
6. Como? _______________
7. Outras: _____________

Uma forma de melhorares a tua pesquisa é pensar em algumas palavras-chave que possas procurar no índice de um livro ou num motor de pesquisa. Esta é uma boa altura para o fazeres.______________

4ª parte
Como posso organizar as minhas ideias?

Agora pensa como podes agrupar as tuas ideias por assuntos. Omite os desnecessários e regista outros que te ocorram durante o trabalho. Identifica os tópicos principais que desejas tratar no texto final.

O esquema a seguir pode ajudar-te nesta tarefa de organização. Coloca o grande tema no círculo central e os tópicos nos pequenos círculos que o rodeiam. Adiciona tantos quantos achares necessários ou constrói um esquema diferente se entenderes que é mais adequado.

COMO FAZER UM TRABALHO DE PROJECTO: BIBLIOTECA ESCOLAR

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos
Como Fazer Um Trabalho De Projecto?
USAR A INFORMAÇÃOIndependentemente de recolheres a informação em livros, pessoas, revistas ou computador, deves ser capaz de:
 Usar as palavras-chave;
 Verificar o conteúdo das páginas, índices, títulos dos capítulos, figuras e quadros.

Se o fizeres, é mais fácil verificar se o livro/artigo/website/… te interessa ou não.
Enquanto lês as partes relevantes do texto que estás a pesquisar, deves lembrar-te das questões que definiste no início … O texto responde às tuas questões? Se não, deixa…
Se continuas a interrogar-te…regressa às perguntas e palavras-chave.
Dá a ti próprio um tempo limite…trabalha depressa e com eficácia. Não te permitas divagações e evita o excesso de informação.
Escolhe o método mais apropriado para registar a informação necessária ao teu trabalho.
• Usa um bloco de notas
• Utiliza o processador de texto (mas nunca as funções Copy/Paste)
• Constrói um gráfico
• Preenche uma grelha
• Grava uma cassete
• Faz um registo vídeo ou usa uma máquina digital
• Ilustra os conceitos

O mais importante no registo da informação é Não Copiar! Lê o texto, pensa no que acabaste de ler e regista apenas, nas tuas próprias palavras:
 o que constituir novidade para ti;
 o que for útil para o teu objectivo;
 algo que possas transmitir a outras pessoas.

Por outras palavras, regista ideias, não frases…não mais do que dez palavras por quadro ou entrada.
Quando acabares de recolher a informação revê o plano de trabalho original e pensa:
Respondeste a todas as questões colocadas? ___________
Tens informação suficiente para terminar o trabalho? _
Existem lapsos na informação obtida? Se sim, como pensas conseguir o que precisas? __
Pensas que já és capaz de fazer o trabalho? Se não, o que ainda necessitas para completá-lo? ______________________________________

COMO FAZER UM TRABALHO DE PROJECTO: BIBLIOTECA ESCOLAR

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativo
Como Fazer Um Trabalho De Projecto?
REDIGIR O TRABALHO E PREPARAR APRESENTAÇÃO
Logo que te sintas preparado para redigir o trabalho, é necessário pensar e planificar a apresentação:

 Na introdução, começo com _____________________

 O corpo principal do meu texto inclui os seguintes aspectos (menos ou mais de 5, conforme necessitares):
1. ______________________________________________
2. ______________________________________________
3. ______________________________________________
4. ______________________________________________
5. ______________________________________________
 Vou ilustrar o trabalho com ___________________
 Vou concluir com ______________________________

Como posso mostrar os resultados, tendo em conta o meu público-alvo?
• Texto escrito;
• Apresentação oral;
• Apresentação multimédia;
• Representação: dramatização de textos / … _____
• Outros: _______________________________________

Independentemente da forma de apresentação, deves sempre incluir uma BIBLIOGRAFIA das fontes utilizadas. Sabes como fazer uma bibliografia? Repara nos exemplos que se seguem:
Monografia: ECO, Umberto _ A Biblioteca. Lisboa, Difel, 1983
ECO, Umberto _ A Biblioteca. Lisboa, Difel, p. 23. ( citação )
Sitografia: www.anafre.pt Acesso em 23 de Outubro de 2007
Imprensa:: Título. lugar da edição :nome do editor, data de edição
AUTO-AVALIAÇÃO:
Depois de terminares o trabalho, é útil reflectir sobre o que fizeste. Esta reflexão vai ajudar-te a melhorar as tuas competências e vai tornar mais fácil a realização do próximo trabalho. Pensa:
O que mais gostaste neste trabalho? ________________
Que tipo de problemas encontraste na tua pesquisa? _
Que farias de diferente na próxima vez? ____________
O que te deu realmente prazer? _____________________

COMO FAZER UM TRABALHO DE PROJECTO: BIBLIOTECA ESCOLAR

Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos
Como Fazer Um Trabalho De Projecto?

LOCALIZAR AS FONTES MAIS ADEQUADAS
Quais as fontes prováveis para encontrar o que necessitas?

• Pessoas (amigos, família, comunidade, organizações empresariais). Precisas de consultar uma lista para encontrar o endereço ou um número de telefone?
• Bibliotecas (escolar, municipal, pública). Tens tempo para te deslocar? Considera utilizar o catálogo da biblioteca escolar, enciclopédias, revistas e jornais, atlas, livros de ficção e não ficção, CD-ROMs, Internet, vídeos…
• Na sala de aula (livros de textos, caderno diário, orientações/sínteses dadas pelo professor, trabalhos…)
• Em casa (livros, jornais, revistas, televisão, rádio, …)

Que tipo de informação podes obter em cada uma?
• Factos ________________________________
• Opiniões ______________________________
• Quadros _______________________________
• Mapas ________________________________
• Entrevistas ___________________________

Que fontes deves tentar primeiro?
• Pessoas: ______________________________
• Organizações: _________________________
• Bibliotecas: __________________________
• Sala de aula: _________________________
• Outras fontes: ________________________

Se usares páginas electrónicas, deves procurar saber se elas são fiáveis para o teu projecto. Podes usar apenas as páginas avaliadas e propostas pelos teus professores ou utilizar o guião de avaliação de páginas electrónicas.

Deves comparar a variedade de fontes antes de decidir quais as mais adequadas para o teu trabalho. Pensa:
A fonte é adequada ao teu nível? __________________
A informação está actualizada? ____________________
Encontras alguma referência ao autor? _____________
Encontras facilmente informações sobre o tema? ____
Há mapas, quadros, figuras, gráficos, etc? ________
A informação encontrada responde ás tuas questões?_

IMPORTANTE!
Faz uma lista das fontes que escolheste (autor, título, editor, data de publicação, páginas a consultar). Vais precisar desta informação para fazeres a bibliografia no final do teu trabalho.
___________________________________________________

terça-feira, 1 de junho de 2010

COMO FAZER UMA APRESENTAÇÃO ORAL

Como fazer uma apresentação oral?

Terminado o trabalho que se quer apresentar, começa-se a preparar a comunicação:

1 Combinar o dia e a hora da apresentação .

2 Se o trabalho é de grupo, dividir tarefas para a apresentação.

3 Ler uma ou duas vezes todo o trabalho.

4 Preparar a sala - mesa e cadeiras para os comunicadores e lugares para os colegas.

Durante a apresentação:

Falar de frente para o público. Falar alto, devagar e com clareza. Não falar ao mesmo tempo.
Mostrar os materiais ( cartazes, desenhos, gráficos, gravuras...) apontando com um ponteiro.
Também se pode utilizar o retroprojector (acetatos), projector de diapositivos (slides), vídeo, quadro... .
No fim da apresentação deixar um tempo para quem quiser fazer perguntas, falar do assunto ou acrescentar algo mais.

Maria Eugénia Cunha, adptado de "Que fazer na biblioteca da escola", DAPP/ME

RETIRAR INFORMAÇÕES DO LIVRO

Como retirar informação de um livro?

1 -Começa por localizar o assunto no sumário ou no índice do livro*.

2- Escolhe os títulos que te parecem mais esclarecedores.

3- Depois, lê atentamente o assunto destes títulos e observa as gravuras que o acompanham (se as houver).

4- Procura ver se a resposta está dada no texto. Para isso, procura as palavras chaves da pergunta no texto.

5- Sublinha a(s) frase(s) que te parece(m) dar resposta à tua pergunta.

Podes consultar a página " Como sublinhar "

6 Retira a informação que procuras e só essa.

7 Escreve a tua resposta.Lembra-te : Retirar informação é saber escolher.Não é copiar

* Consultar o sumário ou índice é muito importante para localizar a informação num livro.


Como encontrar informação dentro de um livro?
1- Começa por observar o exterior do livro e descobre informações úteis na capa (frente do livro) e na contracapa (parte de trás do livro).

2- Depois,podes folhear o livro para descobrir como está organizado.

3- Presta atenção ao:

sumário: listagem dos capítulos e as páginas onde eles começam (normalmente está no ínicio do livro);

índice: listagem alfabética dos principais assuntos do livro e as páginas onde estão referidos (normalmente no fim do livro)

4- Por último, para encontrar a informação sobre o assunto que te interessa, experimenta consultar as páginas indicadas no sumário e no índice.

Maria Eugénia Cunha, adptado de "Que fazer na biblioteca da escola", DAPP/ME

COMO FAZER ESQUEMAS



Como fazer esquemas?

Para organizares um esquema precisas de:

Definir as ideias principais.
Definir as ideias secundárias que estão ligada a cada uma delas.
Escolher uma palavra ou frase curta que transmita cada uma dessas ideias.
Escolher uma forma gráfica que contenha todas essas palavras-chave e mostre a relação entre elas.

Vantagens dos esquemas:

Para fazeres um bom esquema, tens de ter compreendido bem toda a matéria.
Permitem apresentar muita matéria e relacioná-la, facilitando as revisões.
Mostram a relação lógica e hierárquica entre as várias ideias.
Dão uma imagem visual da matéria e da sua organização.
adaptado de Porto Editora, Ensinar a estudar Aprender a estudar

DEBATE A PARTIR DE UMA IMAGEM


Como promover o debate partindo de uma imagem?

Que fazer:

1- Pedir para observar atentamente a imagem: tema, forma e cor .

2- Chamar a atenção para o título do debate e estabelecer uma relação com a imagem.

3- Colocar questões que levem à discussão dos assuntos que se pretende explorar .

As questões devem ser construídas e formuladas de forma clara e precisa.
Evitar as perguntas que conduzam a respostas do tipo Sim/Não.
Primeiro colocar as perguntas a toda a turma, dando tempo para pensarem e/ou procurarem a resposta.
Indicar quem vai responder.
pode-se escolher um colega que se mostre interessado em falar;
pode-se interrogar um colega que tenha mais dificuldade em participar voluntariamente.
4-Registar no quadro ou num acetato as conclusões da turma.

5-Confrontar essas conclusões com o texto final.

6-Levar a turma a registar no caderno diário as conclusões finais.

Maria Eugénia Cunha, adptado de "Que fazer na biblioteca da escola", DAPP/ME

domingo, 11 de abril de 2010

Guião – “Como organizar o Estudo antes dos Testes”

Lê atentamente este Guião e prepara-te para o Teste!
1. “Não sei por onde começar”.
Mantém a calma, para começar, faz uma lista das coisas que tens que fazer, definindo um plano de estudo e estabelecendo prioridades.
Distribui o tempo que dispões pelas várias tarefas a realizar.
Não faltes às aulas, pois podes perder revisões da matéria bem como indicações da
professora sobre o teste.
Tenta seguir rigorosamente o plano que traçaste.
Não te esqueças que o teu estudo será proveitoso se começares a preparar-te com tempo
para o teste, estudando uma ou duas horas por dia.
2. “ Tenho tanto para estudar…e tão pouco tempo!”
Lê com atenção, os teus apontamentos e notas, para relembrares os conteúdos mais
importantes.
Verifica quais os temas ou conteúdos, em que tens dúvidas, e que precisam de uma
atenção especial.
3.“ Este Tema é tão aborrecido…”
Deves perceber os textos que estás a ler.
Coloca a questão “ O que tenho de saber sobre este Tema?”
À medida que vais lendo, deves ir sublinhando e tirando notas.
Discute os conteúdos estudados, com outros colegas, se puderes, estuda em grupo.
Em relação aos “temas que não gostas”, deves fazer um esforço, para as trabalhares,
evitando sempre “saltar” determinados conteúdos.
4. “Leio, percebo, mas não consigo integrar as novas informações nos
conhecimentos de que disponho.”
Todos sabemos quando compreendemos os conhecimentos e informações que estamos a
estudar, e quando é que estes fazem sentido.
À medida que vais estudando, tenta trabalhar os teus conhecimentos, aplicando-os a
situações reais.
Podes utilizar algumas técnicas:
a) Uma forma de memorizar, é dar à informação mais sentido, é utilizar alguns tópicos.
Para recordares os aspectos que estão presentes num texto, podes
organizá-los, utilizando a primeira letra que os inicia:
Quem, Quando, O Quê, Onde, Como, Porquê, Para Quê;
b) Podes associar as novas informações, que adquiriste, a aspectos ou outras informações que te são familiares.
Para recordar uma fórmula ou equação, podes utilizar as letras do alfabeto
para simbolizar os algarismos, transformas assim uma fórmula abstracta numa
palavra ou frase com sentido, que será facilmente recordada quando necessário.
Cria uma Mnemónica, para um conteúdo, difícil de memorizar.
Por exemplo a ordem dos planetas no Sistema Solar: Mercúrio, Vénus, Terra, Marte,
Júpiter, Saturno, Urano, Neptuno.
Frase: “ Minha Vizinha Tem Muitas Jóias, Só Usa no Natal.
5. “ Há tanta informação para Saber!”
Organizar a informação através de esquemas ou fichas, é uma boa estratégia para preparar mais rapidamente os conteúdos estudados, podes fazê-lo:
Tirando notas, fazendo resumos; estabelecendo relações entre os vários conteúdos;
Agrupando a informação em grupos, sempre que possível;
Criando mapas de conceitos, organizando e relacionando as informações.
6. “Penso que compreendo os Conteúdos”.
Testa os teus conhecimentos.
Coloca questões, sobre os conteúdos que estudaste, recordando as indicações e
recomendações do professor sobre o teste.
Analisa com atenção as relações entre os vários aspectos do assunto que estudaste.
Tenta escrever, por palavras tuas, os novos conceitos e informações.
7. “Sabia os conteúdos, mas agora tenho dúvidas!”
Depois de leres, os apontamentos e textos, tenta recordar as informações neles contidas.
Tenta responder às questões que elaboraste para cada conteúdo.
Se não conseguires, lê, com atenção novamente, os aspectos em que tens mais
dificuldades.
Quanto mais tempo dedicares ao estudo, mais facilmente compreenderás os conteúdos.
Não te esqueças, contudo, que estudar é essencialmente organizar as novas
informações, nos conhecimentos que já possuis.
8. “Gosto de estudar na cama.”
O ambiente físico, deve ser semelhante, na medida do possível, ao contexto em que vai
decorrer o teste.
9.”Não me deito enquanto não souber este aspecto deste Tema!”
Evita a exaustão.
Faz pequenos intervalos durante o teu estudo para relaxares um pouco, fisicamente e
mentalmente, tentando não pensar no teste.
Procura estar calmo e descansado antes do teste.
Alimenta-te bem, dorme e procura fazer algum exercício físico, relaxa.
Bom Estudo e Bom Teste!

ESTUDO ACOMPANHADO

O tempo atribuído ao Estudo Acompanhado deve ser utilizado parcialmente pelas escolas para o apoio aos projectos em curso, designadamente:

•Desenvolvimento do Plano da Matemática;
•Apoio aos alunos com Português Língua não Materna;
•Realização de actividades no âmbito dos planos de recuperação, de desenvolvimento e de acompanhamento dos alunos;
•Programas definidos a nível de escola.
A área de Estudo Acompanhado deve ser assegurada pelo professor titular de turma, no caso do 1.º ciclo, e, preferencialmente, pelos grupos de recrutamento de Língua Portuguesa e de Matemática, nos 2.º e 3.º ciclos, podendo integrar as seguintes modalidades:

•Desenvolvimento de planos individuais de trabalho e estratégias de pedagogia diferenciada, de modo a estimular alunos com diferentes capacidades;
•Programas de tutoria para apoio e estratégias de estudo, orientação e aconselhamento do aluno;
•Actividades de compensação e de recuperação;
•Actividades de ensino específico da língua portuguesa para alunos oriundos de países estrangeiros.

•Despacho n.º 19308/2008

ESTUDO ACOMPANHADO

Estudo Acompanhado

O Estudo Acompanhado visa essencialmente promover a apropriação, pelos alunos, de métodos de estudo, de trabalho e de organização, assim como o desenvolvimento de atitudes e capacidades que favoreçam uma crescente autonomia na realização das suas próprias aprendizagens. Trata-se de desenvolver a capacidade de aprender a aprender.

O Estudo Acompanhado deve centrar a sua acção, exclusivamente, no desenvolvimento de competências transversais, uma vez que são aquelas que representam, de forma mais significativa, a estruturação do conhecimento de modo transversal a todas as áreas disciplinares do Ensino Básico.

Sendo certo que são necessários conteúdos para se trabalharem competências, é fundamental ter-se em linha de conta que no Estudo Acompanhado todo o trabalho se encontra vocacionado para o desenvolvimento de competências num sentido completamente autónomo.

Competências transversais /Situações de aprendizagem

1-Relacionamento Interpessoal e de Grupo
Conhecer e actuar de acordo com as normas, regras e critérios de actuação pertinente, de convivência, de trabalho, de responsabilização e sentido ético das acções definidas pela comunidade escolar nos seus vários contextos, a começar pela sala de aula.

2-Métodos de Trabalho e de Estudo
Participar em actividades e aprendizagens, individuais e colectivas, de acordo com regras estabelecidas.
Identificar, seleccionar e aplicar métodos de trabalho e de estudo.
Exprimir dúvidas ou dificuldades.
Analisar a adequação de métodos de trabalho e de estudo, formulando opiniões e sugestões e propondo alterações.

3-Tratamento da Informação
Pesquisar, organizar, tratar e produzir informação em função das necessidades, dos problemas a resolver e dos contextos e situações.

4-Estratégias Cognitivas
Identificar elementos constitutivos das situações problemáticas.
Escolher e aplicar estratégias de resolução.
Explicitar, debater e relacionar a pertinência de situações encontradas em relação aos problemas e às estratégias adoptadas.

5-Comunicação
Utilizar diferentes formas de comunicação verbal, adequando a utilização do código linguístico aos contextos e às necessidades.
Resolver dificuldades ou enriquecer a comunicação através da comunicação não verbal com aplicação das técnicas e dos códigos apropriados.


Finalidades
Ajudar o aluno na identificação e análise de estratégias de estudo em função das suas características individuais.
Desenvolver competências de consulta e utilização de diversas fontes de informação.
Estimular no aluno a capacidade de reconhecer as suas motivações e interesses e de concretizá-las em actividades.
Orientar os alunos na auto-avaliação relativamente à eficácia das estratégias de estudo.

Pressupostos
Desenvolvimento de actividades de planificação do tempo de estudo, competências de leitura e de escrita, resolução de problemas, domínio de técnicas específicas, elaboração de apontamentos, preparação para testes, implementação de actividades destinadas a desenvolver outras estratégias de aprendizagem.
Assunção do professor como observador do aluno e mediador entre os outros professores da turma e os alunos.
Promoção junto do aluno da capacidade de definir objectivos pessoais de aprendizagem, levando-o a um melhor conhecimento de si próprio.
Desenvolvimento de estratégias de estudo que possibilitem a aquisição de um conjunto de ferramentas de aprendizagem.
Adequação das práticas às necessidades dos alunos de forma a superar dificuldades de aprendizagem ou possibilitar actividades de enriquecimento.

Princípios orientadores
Deve atender às reais necessidades dos alunos diagnosticadas em Conselho e Turma;
Deve proporcionar o desenvolvimento de capacidades que favoreçam a autonomia na realização de aprendizagens;
Deve desenvolver competências de relacionamento interpessoal e de grupo;
Deve proporcionar acompanhamento em todas as áreas curriculares disciplinares;
As metodologias a utilizar devem ser diversificadas, nomeadamente:
resolução de alguns trabalhos suplementares;
elaboração de sínteses e organização de trabalhos;
utilização das tecnologias de informação e comunicação;
consulta de dicionários, software educativo e/ou artigos de interesse.

Intervenientes
Esta área curricular é discutida, planificada e gerida em conselho de turma, sendo a sua operacionalização da responsabilidade de dois docentes, os quais constituem um par pedagógico e trabalham em regime de co-docência. Será desejável que os professores a leccionar esta área curricular não disciplinar sejam preferencialmente de áreas disciplinares diferentes.

Avaliação
A avaliação desta área caracteriza-se por ser essencialmente descritiva no final dos períodos lectivos, tendo como referência a evolução do aluno a partir da situação diagnosticada e utiliza elementos provenientes das diversas disciplinas e áreas curriculares. Trata-se de um processo que envolve a auto e hetero-avaliação, de acordo com instrumentos concebidos pela escola e em diálogo com os alunos, podendo recorrer-se a diversas técnicas de avaliação. Compete ao conselho de turma proceder à avaliação sumativa mediante proposta dos professores que leccionam a área de Estudo Acompanhado.

COMO TRABALHAR EM GRUPO

O Trabalho de Grupo é uma técnica que vais utilizar muitas vezes durante a tua vida escolar.
Para que possas tirar proveito deste tipo de trabalho, tens aqui algumas pistas de orientação:

Sê assíduo e pontual
 Ocupa rapidamente o teu lugar (que deve ser sempre o mesmo)
 Não percas tempo, inicia o teu trabalho
 Respeita o trabalho dos outros, falando em voz baixa
 Não interfiras no trabalho dos outros grupos
 Regista sempre as tarefas realizadas em cada sessão
 Deixa o teu lugar limpo e arrumado

Há outro tipo de regras que dizem, igualmente respeito ao trabalho de grupo:

 A planificação do trabalho deve ser feita por todo o grupo
 A distribuição das tarefas dentro do grupo, deve ficar registada em folha própria
 O tempo para a pesquisa, execução das tarefas, discussão das ideias, registo das conclusões, deve ficar registado numa planificação, devendo ser respeitado e cumprido.
 Sintetização conjunta dos vários contributos e ideias surgidas.

Vantagens do trabalho de grupo:
enriquecimento do trabalho;
socialização e desinibição dos alunos mais tímidos;
respeito pela opinião alheia;
economia de tempo face ao esforço a aplicar;
aprendizagem da vivência democrática;
estímulo à pesquisa;
responsabilização individual;
rápida circulação de ideias e maior entusiasmo pelas tarefas

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

COMO CRIAR UM POWERPOINT

OFICINA:
Montagem de Slides
JUSTIFICATIVA:
Tendo em vista que o uso do aplicativo PowerPoint é de suma importância para o trabalho pedagógico, já que auxilia na exposição de textos e trabalhos didáticos, é imprescindível que professores e alunos possam saber usar as potencialidades deste recurso educativo.
ROTEIRO:
Criando uma apresentação - Editando um texto no slide - Inserindo um novo slide - Inserindo um ClipArt - Transição de slides - Configurando uma apresentação - Inserindo hiperlinks - Modo de classificação - Formatando o modelo de estrutura - Inserindo comentário - Exibindo classificação - Substituindo fonte - Personalizando animação - Testando intervalos - Inserindo data e hora - Inserindo um novo slide - Inserindo filmes e sons - Salvando como PPS - Assistente para viagem - Uso pedagógico da ferramenta.

O que é o PowerPoint?
É um aplicativo que permite ao usuário criar apresentações de slides diretamente no computador, podendo incluir objetos como figuras, gráficos, fotos, textos, sons, animações e efeitos especiais.

Criando uma apresentação

• Clique em Iniciar/Microsoft Office PowerPoint 2003 para iniciar uma apresentação. Abrirá então uma apresentação em branco.

• Você pode mudar o design de sua apresentação. Para tanto, clique em Formatar/Design do slide para escolher um design para sua apresentação. Aparecerá uma janela ao lado do slide com as opções, após escolher a de sua preferência, clique com o mouse em cima da escolhida.

• Você também pode alterar o layout do seu slide. Clique em Formatar/Layout do slide. Na caixa do lado escolha um de sua preferência, e clique com o mouse em cima do escolhido.

• Agora que você já escolheu o design e o layout de seu primeiro slide, insira o texto. Clique sobre o campo “Clique aqui para adicionar título” e insira o seu título. Depois clique sobre o campo “Clique aqui para adicionar subtítulo” e insira o subtítulo.

• Agora escolha a fonte, cor, tamanho, etc. de seu texto, utilizando as barras de ferramentas.

• Quer colocar animação no seu slide? Clique em Apresentações/Esquemas de animações se você deseja ver as animações que o programa oferece, ou em Apresentações/Personalizar animações para montar a sua.

Inserindo um novo slide

Seu primeiro slide foi criado. Agora você precisa inserir o próximo slide para continuar sua apresentação.

• Clique no ícone Novo slide, um slide será inserido com o design escolhido para o anterior. Proceda como no anterior para alterar e inserir o que deseja.

• Escolha a forma de transição de um slide para outro. Clique em Apresentações/Transição de slides. Escolha a transição desejada, configure a velocidade da transição, tempo, se terá som, e a forma de avanço.

Siga esses passos com quantos slides forem necessários para completar sua apresentação.

Salvando sua apresentação

Não esqueça de salvar seu trabalho.

• Clique em Arquivo/Salvar, selecione a pasta que deseja salvar, escolha um nome para o arquivo e clique no botão Salvar.

Exibindo sua apresentação

Confira o resultado de seu trabalho.

• Abra o programa PowerPoint.

• Clique no ícone Abrir, selecione a pasta em que foi gravada sua apresentação e clique com o mouse.

• Clique sobre o nome de sua apresentação.

• Clique em Apresentações/Exibir apresentação.

Se você já está com o programa aberto na tela.

• Clique em Apresentações/Exibir apresentação.

Como inserir imagem no seu slide?

• Escolha em qual slide você quer inserir sua figura.

• Clique sobre o slide e ele aparecerá maior na tela.

• Clique em Inserir/Imagem.

• Selecione Do Arquivo se você vai inserir uma imagem que está em CD, disquete ou mesmo de uma pasta.

• Escolha a origem desejada, clique na imagem escolhida.

• A imagem será inserida no seu slide. Redimensione a figura se necessário.

Como colocar som no slide

• Após toda a apresentação pronta, com animação, intervalo entre slides e tudo o mais formatado, deixe o primeiro slide selecionado e clique em Apresentação/Transição de slides (Barra de Ferramentas);

• Na lista de comandos, à direita, clique em Som/Outro som...

• Localize a música que deseja inserir, dentre as que estão arquivadas no computador (Minhas músicas ou similar)

ATENÇÃO! Nessa forma, o programa só aceita música no formato wav, que é muito grande, o que tornará o pps muito pesado. Deverá ser escolhida, de preferência, música com tamanho menor, ou previamente reduzida, utilizando-se outros recursos para tal.

• Em seguida é só clicar em Apresentação de Slides (Atenção: não é no Aplicar a Todos os Slides, senão a música pára e recomeça a cada slide). Imediatamente a apresentação é iniciada, com som.

• Se não gostar da música e quiser trocar, clique na caixa de som e em Sem som (com o primeiro slide selecionado), e recomeça o processo a partir do início; se pretender alterar alguma coisa na formatação, após inserir o som, não se esquecer de retirá-lo primeiro.

• Salve como apresentação em pps.

Qual a diferença entre salvar no formato PPS e PPT

PPS: salvando a apresentação neste formato, a apresentação inicia automaticamente quando mandar abrir.

PPT: salvando a apresentação neste formato, abre o programa PowerPoint quando mandar abrir e você poderá editar a apresentação.



------------------


Atividades
:
 Clique em Iniciar/Microsoft Office PowerPoint 2003 (para iniciar uma apresentação em branco);

 Clique em Formatar/Design do slide (para escolher um design);

 Clique em Formatar/Layout do slide (para escolher seu layout);

 Insira texto e/ou figura conforme sua opção;

 Utilizando as barras de ferramentas: escolha a fonte, cor, tamanho, etc. do seu texto;

 Clique em Apresentações/Esquemas de animações para utilizar as animações ou:

 Clique em Apresentações/Personalizar animações para montar a sua.

Para inserir novo slide:

 Clique no ícone Novo Slide – um novo slide será inserido com o design escolhido para o anterior. Proceda como no anterior para alterar e inserir o que deseja;

 Clique em Apresentações/Transição de Slides para escolher a transição desejada.Configure a velocidade da transição, tempo, se terá som. E a forma de avanço;

 Siga esses passos com quantos slides forem necessários

 Salve a apresentação em sua pasta.

 Abra seu trabalho;

 Clique em Apresentações/Exibir apresentação.

Como inserir imagem no seu trabalho:

 Escolha em qual slide você quer inserir a imagem;

 Clique no slide e ele aparecerá maior na tela;

 Clique em Inserir/Imagem;

 Selecione Do Arquivo (que pode ser de um Cd, disquete ou pasta)

 Escolha a origem desejada, clique na imagem escolhida (a imagem será inserida no seu slide, redimensione a figura se necessário)

Como colocar som no slide:

 Após toda a apresentação pronta, com animação, intervalo entre slides, etc.,selecione o 1º slide e clique em Apresentação/Transição de Slides da barra de Ferramentas;

 Na lista de comandos, à direita, clique em Som/Outro Som...

 Localize a música que quer inserir;

 Clicar em Apresentação de Slides;

 Salve como apresentação em pps.

COMO CRIAR UM VIDEO

COMO CRIAR UM VIDEO

Como inserir vídeos em seu blogAutor: Gustavo Freitas

Uma das regras que precisamos aprender logo que criamos um blog (seja no blogger, wordpress ou qualquer outro) é que não devemos hospedar nada dentro do blog que possa ser hospedado fora, ou seja, fotos, música, vídeos e qualquer outra funcionalidade que não necessite ser hospedada junto com o blog deve ser hospedada fora.
Por exemplo, para as fotos temos o Photobucket e para os vídeos temos o Youtube, então pra que ficar sobrecarregando a inicialização do blog (o que pode espantar o leitor que sempre está com pressa) com fotos e vídeos que podem ser hospedados fora do blog?
Mas voltemos a nosso objetivo hoje que é ensinar como inserir vídeos no blog. Embora seja uma tarefa simples, muitos que estão começando não tem a mínima idéia de como fazê-lo, por isso lemos muito na internet perguntas do tipo: como inserir vídeos no blogger? ou algo parecido.

CRIAR VÍDEOS

Meu lugar preferido para guardar vídeos é no Youtube, mas existem outros serviços na Web, fique a vontade. Se o vídeo que deseja colocar no blog está em seu computador, faça upload dele para o Youtube (se não sabe como, ou não tem uma conta ainda leia esse tutorial do Diego Alcantara), se o vídeo já se encontra no Youtube procure pelo campo “Embed” e clique sobre o campo com o código do vídeo com o botão direito do mouse e clique em copiar.

Agora abra o blog e va até o post que está escrevendo e clique em HTML (no Wordpress) ou Editar Html (no Blogger), procure a parte do post em que quer que o vídeo apareça, clique com o botão direito do mouse e em colar. O código do vídeo será colado e você já tem seu vídeo inserido no post. Para verificar se realmente você copiou o vídeo correto clique em salvar o post e “Previes this Post” (no Wordpress) ou “Visualizar” (no Blogger) e verifique se o vídeo que você copiou é o correto.

PORTEFÓLIO

Apoio na Construção do Portefólio
O que é um Portefólio ?
A palavra é emprestada pelos artistas. Por exemplo: quando queremos contratar um fotógrafo e queremos conhecer a sua forma de trabalhar, este profissional mostra-nos um conjunto das suas melhores fotografias para podermos avaliar a qualidade do seu trabalho.

Aqui pede-se para fazer o mesmo relativamente às suas competências ao nível da acção educativa.

Pequenos passos para a construção de um Portfólio
Inicie o seu Portfólio com construção da página de identificação, onde devem ser referidos os seus dados pessoais: nome, morada, n.º telefone, data de nascimento, nacionalidade, n.º Bilhete de Identidade ou do Cartão de Autorização de Residência. Ao escrever estes dados, poderá acrescentar uma ou mais fotografias, melhor ilustrando quem você é. Em anexo, deverá incluir ainda o seu Curriculum Vitae (para construir o seu Curriculum Vitae pode encontrar apoio no site: http://www.net-empregos.com )

Sente-se confortavelmente e pense em todas os actividades, jogos, trabalho que fez com crianças; as vezes que ficou com o seu irmão mais novo sem poder sair e ir ao cinema, as vezes que brincou com a filha da vizinha, o seu trabalho de babysiter.

Escreva tudo, organizando por datas, para nada ficar esquecido e depois procure encontrar provas que demonstrem todos esses momentos (fotografias, textos, certificados, declarações, trabalhos).

As provas
Deve ser o mais criativo e perfeito possível na apresentação das suas provas (por exemplo colocar datas, nomes das pessoas, assinatura de responsáveis e os seus contactos). Deixamos-lhe aqui algumas ideias:

■Pode pedir, por exemplo, a um técnico que trabalhe nesta área que o observe enquanto você desenvolve uma das competências requeridas. Por exemplo, enquanto você alimenta uma criança. No final, o técnico pode realizar uma pequena avaliação, atestando as suas capacidades nessa área. Não se esqueça de pedir a assinatura e colocar a data no documento assinado.
■Pode realizar uma reflexão sobre o seu desempenho com um técnico desta área para melhor avaliar as suas competências.
■Poderá juntar trabalhos que realizou sobre crianças ou mesmo materiais que criou para actividades com crianças.
■Pode realizar livros de registo diário das suas actividades, explicando os seus procedimentos e descrevendo os planeamentos.
■Pode agrupar relatórios (por exemplo se for ama, pode pedir relatórios aos pais das crianças de quem cuidou - se os pais não souberem escrever, podem fazer pequenos relatos que você anota), certificados de formações realizadas, referências de antigos empregadores, material recolhido junto das pessoas com quem trabalhou ou junto das instituições onde trabalhou.
■Pode descrever situações que tenham a ver com a sua experiência passada, mesmo que actualmente, na sua prática diária não utilize tais competências.
■Pode tirar fotografias ou realizar um pequeno vídeo enquanto desempenha uma das competências requeridas.
No final, poderá juntar ao seu Portfólio o resultado das competências realizadas na Lista de Critérios de Desempenho, na Lista de Conhecimentos e ainda do teste que realizou, imprimindo os resultados.

COMO CRIAR UM BLOGUE

BLOGUES

TECNOLOGIAS PARA CRIAÇÃO DE PORTEFÓLIOS

FICHA DE ANÁLISE E AVALIAÇÃO

IDENTIFICAÇÃO DA TECNOLOGIA

DESIGNAÇÃO: WEBLOG (abreviatura: Blog)

DESCRIÇÃO:O weblog é basicamente uma página na Web com conteúdos dispostos por ordem cronológica (do mais recente para o mais antigo).

Existe actualmente uma enorme diversidade de blogs, quer quanto à forma, quer quanto ao conteúdo. Os blogs podem ser criados e mantidos por um único indivíduo (blogs pessoais) ou por um grupo de pessoas com interesses comuns (blogs colectivos).

Em contexto educativo, é uma ferramenta útil para a construção de actividades caracterizadas pelo diálogo e pela reciprocidade (aprendizagem colaborativa).

A grande maioria dos weblogs possui duas ferramentas complementares: (1) a ferramenta de comentários; (2) a ferramenta de trackback. A primeira permite que os leitores acrescentem comentários aos conteúdos publicados pelo autor (denominados posts). A segunda permite que os posts sejam referenciados noutros blogs, facilitando
a troca e intercâmbio de informações.



VERSÃO: Exemplos de serviços que permitem a criação de blogs:
• Blogger, http://www.blogger.com/start
• Blogs no Sapo, http://blogs.sapo.pt
• Weblog.com.pt, http://weblog.com.pt
• MSN Spaces, http://spaces.msn.com

• TypePad, http://www.typepad.com

• Wordpress, http://wordpress.com

• Weblogger, http://weblogger.terra.com.br
• BigBlogTool, http://www.bigblogtool.com

• Blogalia: http://www.blogalia.com

• TheBlog, http://www.theblog.com.br/

IDIOMA:Está disponível em várias línguas

ACESSIBILIDADE: A criação de blogs é gratuita na maior parte dos serviços que os disponibilizam

REQUISITOS: Em geral basta ter acesso à Internet e um endereço de correio electrónico para se poder criar um blog.

POTENCIAL PEDAGÓGICO

ESTRATÉGIA DISCURSIVA (COMUNICAÇÃO, PARTICIPAÇÃO) A criação de um Weblog permite manter uma comunicação contínua entre vários intervenientes. Uma comunicação que não tem necessariamente de se cingir a um grupo/turma, permitindo a participação de outros interessados na discussão e construção do conhecimento. Em função dos objectivos negociados, o aluno pode expressar as suas ideias sobre oque está a aprender, dialogar com os outros e aprofundar os aspectos que considera mais significativos.

ESTRATÉGIA ADAPTATIVA (EVOLUÇÃO, SELECÇÃO) Ao permitir que o aluno registe sistematicamente informações sobre as suas aprendizagens, sobre as dificuldades sentidas, sobre as suas descobertas e reflexões pessoais, o professor está em melhores condições de compreender a evolução do aluno e, assim, ajustar o seu acompanhamento e a seleccionar os apoios que vão sendo necessários. Em resultado da reflexão individual, também o aluno tomará mais facilmente consciência da sua evolução na aprendizagem e, em função disso, compreender e integrar melhor o feedback e os apoios fornecidos pelo professor
ESTRATÉGIA INTERACTIVA (MOTIVAÇÃO, VISUALIZAÇÃO) Um Weblog permite que os alunos interajam a propósito dos temas em estudo, dando conta das suas descobertas ou opiniões, e que o professor acompanhe e forneça feedback sobre o trabalho realizado. O que constitui, por si só, fonte de motivação, podendo ser concretizado de formas diferenciadas:
− Orientar e dar informação sobre uma acção a desenvolver;
− Verificar a pertinência ou rigor de um determinado conteúdo;
− Acrescentar informação complementar para melhorar a compreensão;
− Estimular, reforçar ou incentivar visando um esforço continuado;
− Aconselhar ou induzir caminhos alternativos de acordo com os objectivos a
alcançar.

Reconhecendo a importância da interacção com os outros e a utilidade do feedback, o aluno vê reforçada a sua capacidade aprendizagem, procurando outras informações com o intuito de aprofundar o estudo de determinado tema ou assunto. Esta tecnologia permite representar as ideias/conteúdos sob várias formas (texto,
imagem, som, vídeo) e fazer ligações para o exterior (links).

ESTRATÉGIA REFLEXIVA (REFLEXÃO, ESTRUTURAÇÃO) Os weblogs podem ser utilizados pelo aluno para registo da sua reflexão pessoal sobre o processo de ensino e aprendizagem num determinado período de tempo e sobre as próprias aprendizagens efectuadas: o que se está a aprender, como se está a aprender, as aquisições esperadas e as aquisições já realizadas, as dificuldades sentidas, os obstáculos superados, os recursos utilizados, etc.. A partir das reflexões e descrições realizadas pelos alunos, o professor pode também reflectir sobre o processo e sobre a sua acção particular, levando-o a melhorar ou considerar diferentes estratégias de intervenção, procurar e explorar outros recursos, aprofundar o estudo sobre as diferentes vertentes da sua acção, etc..


APRECIAÇÃO GLOBAL


FACILIDADE DE APRENDIZAGEM E DE UTILIZAÇÃO Esta tecnologia tem um tempo de aprendizagem curto e o utilizador não necessita de ter conhecimentos de linguagem HTML para publicar. Em alguns casos existe um tutorial de apoio e, regra geral, dispõe de vários estilos visuais de apresentação do conteúdo.

A interface é intuitiva e simples, reduzindo ao essencial as funções relevantes:
1) editar, formatar e publicar texto e imagens;
2) disponibilizar a identificação;
3) acrescentar e eliminar comentários;
4) criar links para outras páginas;
5) arquivar posts cronologicamente.

Outras características que facilitam o uso desta tecnologia têm a ver com os baixoscustos de produção, uma vez que o serviço é oferecido gratuitamente na maior parte dos casos, com a rapidez de publicação e actualização da informação e com a acessibilidade a audiências potencialmente vastas.


PONTOS FORTES

Os Weblogs são uma tecnologia adequada à elaboração de portefólios electrónicos,uma vez que permite satisfazer os objectivos normalmente associados à sua elaboração. São de realçar as possibilidades que oferece nomeadamente em termos de interacção e em termos de visualização para o exterior, proporcionando, por isso, um maior grau de motivação face aos portefólios tradicionais.

A sua grande flexibilidade é também um ponto forte a considerar: flexibilidade em termos de formas de apresentação dos conteúdos; flexibilidade em termos de comunicação (entre aluno/aluno, aluno/professor, aluno/outros intervenientes).
PONTOS FRACOS

Uma das limitações desta ferramenta é o facto de não ser acessível a públicos que não tenham acesso à Internet.
EXEMPLOS DE BOAS PRÁTICAS

Estágio de matemática da FCUL “Espaço em que podemos trocar ideias e comentar as histórias que nos vão sendo

apresentadas. Cada história corresponde a um episódio que se passou na aula e que, de qualquer modo, vos fez pensar...” [Disponível on-line]: http://estagios2005.weblog.com.pt/

HEMAJORO “Aprender faz sorrir e faz crescer… Espaço para aprender e brincar, conversar e olhar, inventar e interagir. Especialmente dedicado às Tecnologias, com as tecnologias ao serviço da educação. Bem-vindo(a) à academia!”. [Disponível on-line]: http://hemajoro.blogspot.com/


© Copyright Projecto DigiFolio (2005-2008) Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação – Universidade de Lisboa
http://aprendercom.org/Pensar/

O que é um blog?
Um weblog, blog ou blogue é uma página da Web cujas atualizações (chamadas posts) são organizadas cronologicamente de forma inversa (como um diário). Estes posts podem ou não pertencer ao mesmo gênero de escrita, referir-se ao mesmo assunto ou ter sido escritos pela mesma pessoa.(wikipedia)

Existem várias maneiras de criar um blog simples e sem necessidade de pagar alojamentos,
dominios etc.

Aqui vou abordar 3 serviços todos eles como já disse gratuitos e com alojamento gratuito livre
de publicidade.

Primeiro o Blogger que deve ser o sistema de criação de blogs gratuitos mais famoso e que foi
aquirido pelo google a algum tempo.

Blogger
Entrem no endereço do blogger.
https://www.blogger.com

Cliquem em criar nova conta ou se ja tem uma conta do Gmail podem usar essa.

Depois de logar na sua conta se não aparecer automaticamente clique no painel onde diz "Criar um blog".

Responda a perguntas simples como Nome, endereço do blog, etc..

Depois de o Blog Criado não tem muita ciencia, escolha o template que deseja carregando na ABA layout, podera adicionar os seus proprios templates se entrarem na opção Editar html, para isso basta procurar no google "free template blogger" e vão aparecer vários sites recheados de templates. Adicionar um novo template pode ser feito de duas formas, adicionando o ficheiro que fizemos download (fazendo upload) ou abrindo o ficheiro com o bloco de notas, copiar o seu codigo e colando sobre o codigo do layout existente no site do blogger. Se não quiserem escolher um novo template podem usar os templates predefinidos pelo sistema, são vários. Quanto ao resto não passa de simples configurações, todo o site vem em português por isso será bastante facil de compreender.


Wordpress

Tambem é possivel criar um blog no site do wordpress e este ficará alojado no mesmo.

Entre em:
http://wordpress.com/signup/

Preencha o formulário e deixe a seguinte opção marcada:
Gimme a blog (esta opção ja deverá vir assinalda)

Depois envie o formulario e vai receber todas as informações sobre o blog e como configura lo no seu email.
O painel estará em Português. Mais tarde irei fazer um tutorial completo de configuração do wordpress.

Sapo Blogs

Outra plataforma que eu nunca usei é os blogs do sapo.
Para aceder entre em:
http://blogs.sapo.pt/

E clique em "registe-se Já", precisará de um email do sapo para fazer a inscrição. Quanto a configurações deverá seguir a linha dos anteriores.

-----------------------

1.Aceder ao site www.blogger.com

< xml="true" ns="urn:schemas-microsoft-com:office:office" prefix="o" namespace="">2.Escolher a opção
3.Preencher a informação pedida:


Choose a user name – Nome do utilizador: terá que ser um nome de utilizador único que ainda não tenha sido usado.
Enter a password – Palavra passe: dará acesso ao teu
blog, juntamente com o nome de utilizador.
Display name – Nome usado para assinar as mensagens inseridas no blog.
E-mail adress: o teu endereço de mail
Acceptance of Terms: tens que seleccionar esta opção, para que o processo possa continuar, sendo uma aceitação dos termos do serviço impostos pela empresa que presta o serviço.


Depois de teres preenchido todos os campos, clica em

4.Definir o nome do blog
Blog Title: Título que aparecerá no início do blog.
Blog Address: Será o endereço, na Internet, a partir do qual o teu blog vai poder ser consultado. Poderá ser, por exemplo: omeudiario que irá corresponder ao endereço http://omeudiario.blogspot.com
Word Verification: Terás que escrever as letras que aparecem desenhadas na imagem. Este é um sistema de protecção, para não permitir a criação automática de blogs. Depois de teres preenchido todos os campos, clica em

Escolher o Template

O passo seguinte é escolheres o Template para o teu blog, ou seja, o aspecto final – o Blogger oferece um conjunto de opções q e podes escolher e, mais tarde, adaptar.

Depois de escolheres o Template, clica, no canto inferior direito, no botão Continue.

Quando aparecer a mensagem seguinte significa que podes começar a escrever no teu blog.

COMO CRIAR UM E-MAIL (CORREIO ELETRÓNICO)

O e-mail é um meio eletrônico de você se comunicar com qualquer pessoa em qualquer parte do mundo, que tenha internet, claro. O e-mail oferece uma série de facilidades em relação ao meio tradicional de se enviar uma mensagem, é instantâneo, você pode anexar arquivos, fotos, vídeos, tem um editor de texto onde você pode escrever suas mensagens e personaliza-las , e muito mais.

Hoje em dia existem vários serviços de e-mail, os mais conhecidos são o Yahoo Mail, Gmail do Google e o Hotmail da Microsoft.

Gmail
Gmail é o serviço de email grátis do Google. Ele é sem dúvidas nenhuma o melhor serviço de e-mail que existe actualmente, com mais de 2gb de espaço, interface bem simples e em português com proteção contra Spam.

Hotmail
Hotmail é o serviço dos 3, o mais antigo de todos. Hoje ele é chamado de Windows Live Hotmail. Com o Hotmail você tem 5gb de espaço, pode editar as cores e muito mais. O único problema do Hotmail é que, se você não utilizar seu email por um período de 120 dias, sua conta pode ser desativada.

Yahoo Mail:
O Yahoo Mail oferece espaço ilimitado e uma interface em português bem simples e fácil de mexer.

Ainda se pode usar, o sapo, iol, msn, live, etc....

CRIAR E-MAILs (Endereços)

http://www.gmail.com

http://www.hotmail.com

http://www.sapo.pt

COMO FAZER UM RESUMO

Como fazer um bom resumo...

Características de um bom resumo:

• Brevidade – um bom resumo apenas contém as ideias principais. Os pormenores não são incluídos.

• Rigor e clareza – um bom resumo exprime as ideias fundamentais do texto, de uma forma clara e que respeite o pensamento do autor.

• Linguagem pessoal – num bom resumo não se copiam as frases do texto. Deve-se exprimir as ideias principais por palavras nossas.

Como se deve fazer um bom resumo?

Para se fazer um bom resumo, podes seguir alguns passos simples:

1. Lê o texto e tenta compreendê-lo bem. Identifica as ideias principais, parágrafo a parágrafo:

1.1. Podes sublinhá-las, durante a leitura;

1.2. Podes fazer um esquema, no fim da leitura, para organizar o texto e os parágrafos.

2. Começa a escrever o teu resumo, respeitando sempre o conteúdo do texto e o pensamento do autor:

2.1. Procura não incluir pormenores desnecessários;

2.2. Substitui ideias repetidas ou semelhantes por uma que as englobe;

2.3. Utiliza termos genéricos em vez de listas;

2.4. Utiliza uma linguagem pessoal.

3. Lê o teu resumo e avalia-o, corrigindo os aspectos que achares necessário:

3.1. Contém as ideias principais?
3.2. A ideia do autor está repetida?
3.3. O texto percebe-se bem?
3.4. Não há pormenores nem repetições?


Lê agora as regras que te são apresentadas para a realização de resumos e aplica-as a cada um dos pequenos textos que se seguem:

1ª regra: Não se devem incluir pormenores desnecessários.

No seu aniversário, o Tiago recebeu um presente especial. Vinha embrulhado com um papel dourado e trazia um grande laço verde. Estava dentro de uma grande caixa. Era o par de patins que ele tanto desejava.


2ª regra: Não se devem repetir ideias

O Tiago estava satisfeito. Não cabia em si de contente. Transbordava de alegria. Transpirava felicidade por ter recebido os patins que queria.


3ª regra: As listas de objectos devem ser substituídas por termos genéricos.

Em cima da mesa estavam muitas garrafas de coca-cola, de laranjada, de limonada, de ice-tea e de groselha. Havia também bolos de ananás, pudins, bolachas de chocolate, natas, e um bolo de aniversário.



4ª regra: Uma série de acções idênticas deve ser descrita através de um único verbo que as englobe o mais possível.

O balão começou a tremelicar, tentou subir, deu algumas voltas, subiu um pouco mais. Lentamente foi subindo mais ainda. Agitou-se no ar, sempre mais para o alto, até que, finalmente, desapareceu.